COLUNA UM POUCO DA HISTÓRIA

ORIGEM DO TOPÔNIMO “VIRGEM DA LAPA” Não obstante o lugar onde surgiu o arraial de São Domingos do Arassuahy ser habitado pelos índios aranã, já abrigava, também, uma boa parte dos garimpeiros que ali viviam entre os índios. Entretanto, em meados do ano de 1767 chegavam para esta região outros bandeirantes – os imigrantes paulistas, portugueses e baianos – em busca do metal amarelo e das pedras preciosas (as esmeraldas) de que tanto falava o destemido bandeirante Fernão Dias Paes. Acomodaram-se esses rudes homens à beira do córrego São Domingos e iniciaram ali o trabalho de garimpar ouro e coletar pedras preciosas. Contam as tradições orais da época, que no dia 15 de agosto de 1767, um filho de um dos homens arranchados nas margens do córrego São Domingos, saiu de casa a pedido de seu pai para juntar as mulas que pastavam aqui, ali e acolá, num só lugar, para a formação da sua tropa. Andava o menino a cumprir com a sua tarefa quando lhe apareceu um pequenino coelho de cor zibelina. O animalzinho saltitava com elegância em várias trilhas do caminho para se esconder. O menino ficou encantado com a beleza do coelhinho e procurou de imediato capturá-lo para o seu pronto entretenimento. Na perseguição do animalzinho, o menino chegou até o alto de um penedo na esperança de conseguir o seu intento. O coelho se enfiou, sorrateiramente, por entre ramos entrelaçados das árvores e galhos secos e por um instante desapareceu do alcance da criança. Mas, o menino não se contentou com o sumiço de sua caça, e entrou num pequena gruta a procurá-lo. Ali ele percebeu na sua visão a imagem de uma mulher que estava iluminada por uma estranha luz brilhante bem perto da gruta no meio de um samambaial. Estupefato, quietou-se por um momento e depois saiu correndo para a casa de seus pais em busca de explicações. O comunicado da visão da imagem de uma mulher pelo menino aos seus pais e também às outras pessoas da comunidade fez com que uma multidão fosse até o local para testemunhar o ocorrido. Porém, ninguém conseguia visualizar a imagem da mulher, somente as crianças tinham esse poder de visualização o que intrigava as pessoas presentes. A partir desse fato a comunidade dos garimpeiros ficou em alerta e era preciso encontrar um esclarecimento para o acontecido. Em vista disso, iniciaram-se buscas incessantes por entre grutas e matas, na esperança de se encontrar a razão das constantes visões das crianças. Então, nas investigações realizadas pelos garimpeiros, foi encontrada por eles uma pequena imagem de Nossa Senhora da Lapa sobre uma pedra no interior de uma pequena grota, mostrando sinais de que ali ela já se encontrava há muito tempo. A partir deste fato começaram as curas milagrosas e o ocorrido ganhou notoriedade em toda a região do médio Jequitinhonha. Ainda em vista do acontecimento, no ano da emancipação política e administrativa do arraial de São Domingos do Arassuahy, o senhor Vicente Paulino Murta (Seu Doce, que era protético), juntamente com outros representantes do município, sugeriu o nome de Virgem da Lapa para batizar o recém-criado município, em homenagem a pequena e milagrosa imagem da santíssima encontrada ali há quase dois séculos. Assim, conforme entendimento político, o arraial de São Domingos do Arassuahy foi transformado na encantadora cidade de Virgem da Lapa.