Voz da Comunidade visita o bairro Dr. João Alves

No destaque, o casarão abandonado tornou-se refúgio para usuários de drogas

Nesta semana fomos convidados a visitar o bairro Dr. João Alves, mas, desta vez, ocorreu um aspecto curioso: o bairro é visivelmente dividido em duas partes bem distintas. De um lado, há asfalto, praça onde os jovens jogam bola e um comércio extremamente ativo. Porém, mais próximo à BR, no lado do bairro que é mais próximo ao Santo Antônio, a situação é bem diferente. Não há pavimentação ou iluminação pública em grande parte das ruas, o antigo campinho dos moradores foi invadido e uma construção abandonada, bem no acesso à região, é usada por usuários de drogas. Também no Dr. João Alves há o condomínio Vila Europa e o Centro Comunitário de Vivencia Educacional Cristã, o CCVEC, que é uma creche que atende a muitas famílias que precisam.

LEIA MAIS | Asfalto em uma parte do bairro partiu dos próprios moradores

Um morador, que preferiu não se identificar, relatou à nossa reportagem que a situação de onde mora é delicada. Segundo ele, a maior parte das pessoas que vivem naquela parte do bairro trabalha, eles pagam seus impostos como qualquer cidadão, e, por isso, mereciam o mínimo, que é asfalto, iluminação e segurança pública. “O número de pessoas que usa o casarão como abrigo para usar drogas e/ou se prostituir é grande, mas poderia ser menor se a nossa área fosse melhor iluminada e protegida. Ficamos à mercê aqui, sem poder receber uma visita sem nos preocupar, sem poder andar nas ruas tomadas pela lama ou poeira e, pior, convivendo com as drogas e tiroteios, de vez em quando. É uma situação complicada”, desabafou.

O curioso é que o casarão, ainda segundo os moradores, seria uma unidade de saúde, que nunca foi concluída. Daí, abandonada, tornou-se agora um problema social. “Eles até tentaram pintar e reformar o casarão, algumas vezes, mas depois de tantos anos abandonado, foi difícil tirar os usurários de drogas dali, e eles mesmo sujavam as paredes e derrubavam as paredes. Então, parece que desistiram do lugar”, contam.