Esgoto a céu aberto coloca em risco a saúde

O esgoto a céu aberto é um dos maiores problemas do bairro Jardim Alegre. As crianças têm de dividir o espaço nas ruas com o esgoto que sai das casas, onde não existem ainda fossas. O borracheiro José Luiz Salgado Lima afirma que antes os moradores sofriam com a falta de água, que tinham de pegar no poço artesiano. A água foi providenciada, deixando cada casa com esse beneficio. Porém, não colocaram a rede de esgoto. Com isso, cada morador tem de abrir uma fossa na frente da casa e fazer o cercamento com pedras, para evitar acidentes. Em alguns locais, os moradores não fizeram a fossa e o esgoto é jogado na rua, transmitindo doenças.

Rayane Rodrigues, com a filha Vitoria Karolyne, reclama
das ruas esburacadas (Foto: Girleno Alencar)

Uma das principais reclamações dos moradores é a existência de apenas uma linha do transporte coletivo urbano. Rayane Rodrigues Lima, de 18 anos, e mãe de Vitoria Karollyne, saiu da comunidade rural de Campos Eliseos há 15 anos, para morar no Facela e agora Jardim Alegre, quando se queixa que o lotação faz a viagem a cada 90 minutos e, com isso, deixa os moradores em situação de semi-isolamento. Para quem precisa estudar ou  trabalhar, a situação é pior: precisa pegar o único ônibus às 5h40, para não perder o horário. Ela trabalhava no comércio e está atualmente desempregada, pois precisou cuidar da filha. Estudou todo ensino fundamental e agora quer fazer o Cesec para concluir o ensino médio.

A estudante Tatiele Oliveira Santos, de 17 anos, também reclama do transporte coletivo. Ela faz o terceiro ano do ensino médio na escola estadual Américo Martins, no bairro Jaraguá, mas usa o transporte escolar, que passa no Jardim Alegre às 6h40. Isso alivia sua situação em relação aos outros moradores. Porém, lamenta que o bairro não tenha ruas asfaltadas, iluminação pública e rede de esgoto. A estudante lembra que o Jardim Alegre é o único bairro de Montes Claros sem qualquer rua asfaltada, em situação incomum para uma cidade que é a maior do Norte de Minas.

LEIA MAIS | Associação desativada no Jardim Alegre enfraquece moradores

Na sexta-feira passada o morador Samuel de Freitas Quirino concluiu um abaixo assinado com 288 moradores para pedir a MCTrans que seja criada uma nova linha de lotação no bairro. Ele explica que nos horários de picos, a situação fica complicada, pois apenas um ônibus sai das 5h40 e depois às 7h10. Porém, o curioso é que um ônibus do bairro Jardim Primavera vai às 6h30 até o posto de combustível na entrada do Jardim Alegre, quando poderia completar a viagem entrando no bairro. No abaixo assinado é pedido ainda que uma linha ligando o Centro ao bairro saia do prédio da Prefeitura, às 6h10, e entre no bairro, permitindo que os trabalhadores da noite tenham essa opção.

A água tem de ser despejada em vasilhame e, depois, jogada na rua (Foto: Girleno Alencar)