Parlamentar defende mais atenção ao tratamento de diabetes e menos impostos aos produtos diets

O vereador Dr. Valdivino Antunes (PMDB) é mais um político a defender a união dos deputados e Câmaras Municipais em defesa de menos impostos ou até sua isenção de produtos consumidos por pessoas que tem diabetes. Segundo ele os produtos diets são os mais caros, sendo que mais de 30 milhões de pessoas tem diabetes e a grande maioria não tem poder aquisitivo alto.

Vereador Dr. Valdivino (PMDB) (Foto: Ascom/Câmara)

Os produtos diets deviam ter um selo para uso medicinal, mas não têm, e boa parte da população usa para fins estéticos e, por isso, os preços são elevados. Dr. Valdivino, que é médico, disse ainda que é necessário que se incentivem as crianças sobre alimentação e os perigos da diabetes que vem se tornando o mal do século e que traz outras graves complicações. Quem tem diabetes e não trata devidamente, sofre grandes complicações.

Segundo o parlamentar, por ser uma doença silenciosa, quando é descoberta em grande parte dos pacientes, já traz algumas consequências graves e sequelas. Ele lembrou ainda que pela primeira vez a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) discutiu diretrizes mais eficazes de informações e diagnósticos para o tratamento de diabetes, especialmente o fornecimento de glicômetros pelo Estado. A reunião só foi possível ao atender a requerimento do deputado Wander Borges (PSB).  Ainda segundo o vereador, no ano passado, a comissão recebeu denúncias de associações de diabéticos do Estado sobre o glicosímetro que estava sendo distribuído e que posteriormente foram recolhidos e mudado a marca. Lembra o médico e vereador que o aparelho é essencial para medir o nível de glicose no sangue, o que os portadores da doença precisam fazer com freqüência.

“Por ser uma doença considerada grave e que não tem cura, mas pode ser controlada, tendo boa dieta, o diabetes requer muito cuidado e atenção médica e quanto mais cedo se discutir com a sociedade e esclarecer menos doentes teremos. É necessário que se faça uma campanha de prevenção, pois é possível evitar o diabetes com orientação sobre alimentação e atividades físicas. Mas a redução dos impostos dos alimentos usados pelos diabéticos é algo importante e necessário”, concluiu.