Parlamentar anuncia aprovação de prioridade para processos penais relativos a crimes de corrupção

Em dia com a Política


(Foto: Divulgação)

O vereador Oliveira Lega (PPS) (foto) afirmou que o grande mal do Brasil é, sem dúvida nenhuma, a corrupção, que, em alguns setores, está quase institucionalizada, mas que precisa ser combatida com agilidade pela justiça, pois a demora em julgar e mandar para prisão os corruptos de todas as áreas deixa na sociedade uma sensação de impunidade e indignação. Mas ele lembrou que a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou proposta que confere prioridade de tramitação às ações penais relacionadas a crimes de corrupção (peculato, concussão, corrupção passiva e ativa, tráfico de influência, lavagem de dinheiro, ocultação de bens, e fraude em concorrência). Lega disse que isso traz um alento para toda população e para a classe política séria e comprometida com a coisa pública e a transparência. O vereador considera que esse projeto deve ser aprovado e colocado em prática, pois, o homem público é eleito para legislar e executar obras em favor do povo e não obter vantagens ilícitas e quando ele faz isso respaldado por milhares votos, tem que responder duramente por seus atos.

 

Eustáquio Saraiva assume o Prevmoc

Eustáquio Filocre Saraiva é professor aposentado, tendo atuado por mais de 40 anos em sala de aula, pelo Estado. Eustáquio tem também uma ampla experiência na administração pública, tendo sido secretário municipal de Educação entre os anos de 1986 e 1988 e secretário municipal adjunto de Esportes entre 2005 e 2008. Além disso, foi diretor executivo do Instituto Municipal de Previdência dos Servidores Públicos de Montes Claros (Prevmoc) no ano de 1993, participando de sua implantação na cidade. E é justamente o Prevmoc que Eustáquio está reassumindo nesta gestão, sendo o novo responsável por administrar a entidade que faz a gestão dos recursos previdenciários dos funcionários do Município. Ele acredita que o Instituto é um importante benefício para o servidor municipal, já que é possível acompanhar de perto a gestão dos recursos que vão garantir o futuro de cada um, como aposentado.

 

Renan pressiona Temer a nomeá-lo Ministro

Renan Calheiros não quer nem ouvir falar em distância do poder a partir do dia 1º, quando será substituído na presidência do Senado. Sem o cargo e a prerrogativa de usar aviões da FAB, Renan não quer encarar cidadãos indignados em voos de carreira. Senadores do PMDB não o querem líder da bancada, e ele pressiona Michel Temer a nomeá-lo ministro, com direito a usar jatinhos oficiais para se deslocar. Além de exigir ministério, Renan fez chegar a Michel Temer, que só aceitaria “de primeira linha”. Nada de “segunda classe”. De olho no desgaste do atual titular Alexandre de Moraes, Renan sinalizou ao Planalto que adoraria voltar a ser ministro da Justiça.

 

Cunha sonha com liberdade a partir de fevereiro

O ex-deputado cassado Eduardo Cunha começou 2017, ainda preso em Curitiba, mas deposita enorme esperança em conseguir liberdade com o pedido de habeas corpus em análise no Supremo Tribunal Federal (STF). Cunha sonha em deixar o Complexo Penitenciário de São José dos Pinhais já no próximo dia 8 de fevereiro, quando a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, colocará o caso para análise do plenário. Cunha esperava pela decisão do ministro-relator da Lava Jato, Teori Zavascki, antes do recesso, mas passou Natal e Réveillon em cana. Outra tentativa no STF é anular a cassação. Cunha alega que houve a possibilidade de emendas na cassação de Dilma, o que lhe foi negado.

 

Congresso gasta 230 milhões com Cotão

O Congresso Nacional gastou, em 2016, R$ 230 milhões com a Cota Para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), a chamada verba indenizatória. Na Câmara, foram torrados R$ 209,38 milhões para bancar as atividades dos 513 deputados federais, como consultoria, assessoria, aluguel de escritório, passagem aérea, segurança, entre outros. No Senado, suas excelências gastaram R$ 21,21 milhões.  A dinheirama seria suficiente para comprar 2.875 casas do programa Minha Casa, Minha Vida ou 7.700 carros populares. Os deputados mais gastões: Rocha (PSDB-AC), R$ 561 mil; Hiran Gonçalves (PP-RR), R$ 544 mil; Silas Câmara (PRB-), R$ 518 mil.

 

Irregularidade na Amams

Na segunda feira, descumprindo o estatuto da entidade, o presidente em exercício da AMAMS, Luiz Rocha Neto, mudou as regras da eleição na entidade, reduzindo de 64 para 45 o número de prefeitos aptos a votar. Desta vez a grande maioria dos prefeitos excluídos havia declarado voto na chapa de oposição. Além de descumprir o estatuto, segundo conclusão dos advogados da chapa de oposição, o presidente ignorou uma ata assinada pelos dois candidatos à presidência e por seus advogados, definindo as regras da eleição. Além das alterações, o presidente em exercício nomeou como coordenador da eleição o advogado Edmo Geraldo de Oliveira, integrante do Partido dos Trabalhadores, que apesar de lotado como funcionário da AMAMS, raramente é visto na entidade.