Formação de lideres: uma iniciativa abandonada

Assumir um cargo de gestão não é tarefa fácil. Lidar com orçamentos, liderar equipes, distribuir metas, e cobrar resultados são algumas das muitas atividades do dia a dia desses profissionais. Apesar da complexidade e importância da função, muitos chegam despreparados para a função. Estudo da Affero Lab mostra um retrato fiel desse cenário. Segundo a pesquisa, 85,5% dos gestores não receberam nenhum tipo de treinamento antes de assumir o comando de uma equipe. O resultado é a prevalência de experiências negativas, em que 60% dos selecionados falha nos seus primeiros dois anos no posto, causando perdas para as empresas e para suas próprias carreiras. De acordo com a especialista em marketing estratégico e de carreira, Tânia de Miranda, em Montes Claros não existe monitoramento dos profissionais que realizam cursos, as empresas apenas colocam as pessoas para fazerem cursos, no entanto, a empresa apresenta problemas gravíssimos na mesma área que o profissional participou da capacitação. “Isso mostra que há algo errado, as pessoas estão apenas cumprindo uma rotina, conquistando um certificado que vai para uma gaveta ou para uma parede. Por isso há uma diferença entre enviar os seus colaboradores para uma capacitação e o que você faz durante ou após essa capacitação. Isso deve ser enxergado pelo gestor, que tem o conhecimento da missão de compartilhamento e de engrandecimento de uma equipe”, destaca Tânia Miranda. A especialista explica que não existe liderança nata e que ela precisa ser desenvolvida a partir de uma parceria entre o profissional e a empresa. “Quando se tem uma pessoa carismática, entusiasmada e otimista, e que muitas pessoas param para ouvi-lo, não significa que ele é um líder, mas sim uma pessoa que sabe comunicar de maneira proativa e assertiva e outras o seguem. No entanto, se essa mesma pessoa for dirigir uma empresa numa determinada área pode ser um fiasco. O motivo é que se trata de um chefe e não de um líder. A diferença é que o chefe manda e as pessoas obedecem; já o líder sugere e os colaboradores se sentem entusiasmados e com motivação para fazer e seguir aquilo que foi sugerido pelo líder, ou o líder faz e outros o seguem para fazer igual. Apesar disso, na região há vários lideres que não atuam como lideres”, comenta. A liderança, segundo a especialista em carreira, é um exercício que contribuir para formar, desenvolver e criar pessoas melhores. Isso mostra que quando uma pessoa tem formação em liderança sabe como fazer para que uma pessoa tenha melhores resultados numa empresa e sabe administrar melhor os conflitos pessoais. “Quando você tem conhecimento sobre liderança, você sabe que uma das características de um líder é o risco. Ele tem capacidade de arriscar e de aprender em caso de fracasso e de tirar proveito do fracasso e tem capacidade de enxergar outras vias de crescimento pessoal e profissional fora daquela empresa, daquela zona de conforto que o prende durante tantos anos”, acentua Tânia de Miranda.