Adolescentes são orientados sobre o futuro profissional

A mostra profissional ocorreu na Praça Coronel Ribeiro, como mostra o destaque

Os adolescentes de Montes Claros passaram ontem por uma jornada de orientação pública, quando as principais faculdades particulares da cidade instalaram stands na Praça Coronel Ribeiro. Ali, profissionais e acadêmicos deram dicas sobre como definir a profissão a ser seguida. O evento começou às 9 horas e prosseguiu até às 17 horas.

O coordenador Cesar Urcine alerta que medicina não é tudo
(Fotos: Girleno Alencar)

Os organizadores acreditam que 3.000 adolescentes, estudantes do ensino médio, foram conhecer sobre as alternativas que poderão seguir na vida profissional. Esse mesmo tipo de evento é realizado pela Polícia Militar, no Parque de Exposições, sempre no mês de setembro, mais com os alunos de Montes Claros e de outros municípios do Norte de Minas.

O professor César Urcine, coordenador do evento, explica que quase todos os estudantes pensam de imediato em fazer o curso de medicina, buscando um retorno financeiro e profissional imediato e, por isso, a iniciativa de mostrar alternativas de cursos. Segundo ele, existem várias outras profissões com maior retorno financeiro, como de Promotores e Juízes, engenheiros de padrão internacional. “A diferença é que essas e outras profissões exigem que a pessoa saia da faculdade e trilhe uma caminhada até alcançar o objetivo. Medicina tem retorno mais rápido, pois o médico se forma e começa a trabalhar de imediato” – conclui.

Na mostra das profissões, a acadêmica de Engenharia, Amanda Costa Guimarães, nascida em Taiobeiras, apresentou a sua criação: o equipamento AgroWet, que elaborou junto com o acadêmico Lucas Teixeira e que já foi apresentado inclusive em Israel, onde a distância permite controlar e economizar a água para irrigação. O empresário Gelson Toledo apostou no projeto e o equipamento está sendo vendido de R$ 800,00 a R$ 1.000,00, dependendo do porte. A partir de sexta-feira, Amanda apresentará o seu projeto para os conterrâneos, na Feira do Alto Rio Pardo, em Taiobeiras. Ela afirma que valeu a pena fazer o curso e ainda mais os resultados alcançados.

Amanda Costa, uma das criadoras do AgroWet, com Gelson Toledo (Foto: Girleno Alencar)