Gasolina passa dos R$ 4,00 em Montes Claros

Ontem de manhã, o jornal GAZETA flagrou o aumento em postos da avenida Deputado Plínio Ribeiro

A gasolina passou dos R$ 4,00 em Montes Claros. Desde ontem nas bombas de vários postos de combustíveis, menos de 12 horas depois do novo aumento definido pela Petrobras, o litro já estava sendo vendido a R$ 4,019. Ontem de manhã, o jornal GAZETA flagrou o aumento em postos da avenida Deputado Plinio Ribeiro. O curioso é que a mesma Petrobras tinha reduzido os valores da gasolina e diesel nos meses de outubro e novembro, mas os postos demoraram mais de uma semana para repassar a queda para os consumidores. Na segunda-feira à noite, a Petrobras fixou o aumento; às 9 horas de terça-feira, os postos já começaram a mudar de valores. A explicação é que compraram o combustível com os novos valores e tinham de repassar aos consumidores.

No posto flagrado pelo jornal GAZETA, a gasolina saiu de R$ 3,86 para R$ 4,01. O Diesel saiu de R$ 2,79 para R$ 2,96. A diesel S10 saiu de R$ 2,99 para R$ 3,16. O álcool manteve o mesmo preço, de R$ 3,04. O aumento desagradou ao motorista Pedro Paulo Santos, que ironizou: “daqui alguns dias todo mundo terá andar a cavalo, pois a gasolina está ficando inviável”. Ele afirmou que na semana da redução dos combustíveis, não tinha encontrado nenhum posto que houvesse reduzido o valor. Agora, bastou aumentar para em poucas horas, subirem os valores.

A Petrobras decidiu elevar o preço nas refinarias do diesel, em 9,5%, e da gasolina, em 8,1%. A informação foi divulgada na noite de segunda-feira (5), em nota distribuída pela companhia. Segundo a Petrobras, o impacto nas bombas deverá ser de 5,5% para o diesel, ou mais R$ 0,17 por litro, e de 3,4% para a gasolina, mais R$ 0,12 por litro. Segundo a nota, os aumentos passaram a valer desde ontem e estão de acordo com a política de preços anunciada pela Petrobras em outubro e que as principais variáveis que explicam a decisão do Grupo Executivo de Mercado e Preços são o aumento observado nos preços do petróleo e derivados e desvalorização da taxa de câmbio no período recente. Por outro lado, a participação da Petrobras no mercado interno de diesel registrou pequenos sinais de recuperação.

A Petrobras diz que a medida faz parte de sua política de fazer revisão de preços pelos menos uma vez a cada 30 dias, o que “lhe dá a flexibilidade necessária para lidar com variáveis cuja volatilidade vem aumentando recentemente”. “Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas pela Petrobras nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de petróleo, especialmente, distribuidoras e postos de combustíveis.” (Foto: Girleno Alencar)