Dia do Artesão é comemorado neste domingo

No destaque, uma obra de Wili Carvalho, que é de Montes Claros e já expôs em cidades de vários cantos do país

Os artesãos comemoram sua data no dia de São José, padroeiro da categoria. A Bíblia usa a palavra tekton, que quer dizer ‘aquele que trabalha com as mãos’, para descrever a atividade do pai de Jesus Cristo, e que ele ensinou ao filho. De acordo com a tradição cristã, eles eram marceneiros. Naquela época, praticava-se o ofício de maneira artesanal, por isso a escolha do seu nome para proteger os que exercem essa importante e bonita profissão.

De acordo com dados do IBGE, aproximadamente 8,5 milhões brasileiros dedicam-se ao artesanato como principal atividade comercial. O setor movimenta mais de R$ 50 bilhões por ano e é responsável por cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB). Além dos números significativos na economia do país, há dois anos, os artesãos ganharam mais força com a aprovação, no Senado, do Projeto de Lei nº 256/15 - que reconhece a profissão e oferece melhores condições para que possam empreender no país.

LEIA MAIS | Wili Carvalho: de Montes Claros para o Brasil

Mesmo que essas melhorias não tenham saído do papel ainda, a iniciativa é o pontapé inicial para valorização do trabalho artesanal e ampliação da sua presença no mercado nacional e internacional.

Assim como no restante do país, Minas Gerais vem se tornando vitrine da diversidade e da criatividade deste setor. Para se ter uma ideia, do total de peças vencedoras do Prêmio Top 100 de Artesanato, no ano passado, 13 são mineiras.

No Norte de Minas centenas de famílias trabalham com artesanato. O minucioso trabalho do grupo de artesãos Capitania das Fibras, da Associação dos Artesãos de Capitão Enéas, é composto por 45 associados, que transformam fibra retirada dos troncos das bananeiras e madeira em peças decorativas. Pelas mãos do grupo, a fibra ganha forma e se transforma em cestos, baús, descansos de panela e luminárias. A madeira vira peças que reproduzem frutas da região. 

O trabalho da à associação ganhou mais destaque a partir de 2011, quando os membros procuraram o Sebrae Minas para pedir orientação sobre como tornar o negócio mais lucrativo. Os artesãos já participaram de várias capacitações, como: cursos de gestão, elaboração de plano de negócios, incremento de produtos, precificação e qualidade das peças. (Foto: Divulgação)