Agentes de endemias aprendem sobre manejo ambiental para controle da leishmaniose visceral

Capacitação foi retomada nessa terça-feira

Com o objetivo de orientar os agentes de controle de endemias sobre o manejo ambiental e a implementação de ações de educação em saúde para o controle da leishmaniose visceral e tegumentar no Norte de Minas, a Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros (SRS) está realizando uma série de encontros que envolvem representantes dos 53 municípios que integram a sua área de atuação. As ações tiveram início no mês passado, quando representantes de 21 municípios que integram as regiões de Francisco Sá e de Janaúba/Monte Azul, participaram de encontros de capacitação realizados pela Superintendência Regional. Segundo a SRS, o objetivo é que os agentes treinados levem para seus respectivos municípios, o conhecimento adquirido e sejam multiplicadores de informações sobre as ações que serão implementadas no controle das leishmanioses no Norte de Minas. A coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e de Saúde do Trabalhador na SRS de Montes Claros, Josianne Dias Gusmão, informou que os encontros foram retomados ontem (12), na Escola Técnica de Saúde da Unimontes, com profissionais de saúde de 16 municípios que integram a área Salinas/Taiobeiras. “O assunto foi apresentado durante reuniões da Comissão Intergestora Regional (CIR) e da Comissão Intergestora da Região Ampliada de Saúde (CIRA). As reuniões envolveram a participação de gestores municipais de saúde, membros da diretoria regional do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems) e técnicos da SRS”, falou. No período de 19 a 22 de setembro a capacitação reunirá, Montes Claros, representantes de 11 municípios. A capacitação será até o dia 22 de setembro. A partir do dia 26 de setembro a capacitação será realizada no município de Jequitaí envolvendo cinco localidades que integram a região de saúde de Coração de Jesus. A coordenadora destacou que “é fundamental a atualização do repasse de informações aos agentes de controle de endemias sobre as ações de prevenção contra a leishmaniose, levando-se em conta que o manejo ambiental e as ações de educação em saúde se constituem as formas mais eficazes para o combate à proliferação do mosquito flebótomo que é o transmissor da doença”, destacou enfatizando que é fundamental é orientar a população no sentido de evitar os locais onde o mosquito transmissor da doença tradicionalmente habita. Com informações da SRS.