• Analista

    13 Abr, 2017

    ENTREVISTAS DOS POLÍTICOS DA LISTA DO FACHIN - Todos, rigorosamente todos os políticos citados na Lista do Fachin estão negando e se dizendo tranquilos com relação às acusações dos delatores da Construtora Odebrecht. O Ministério Público Federal só teria encaminhado as delações para o Ministro Edson Fachin se houvessem, além das declarações dos delatores, provas materiais robustas (documentos, depoimentos em vídeos, gravações de conversas telefônicas, movimentações de contas bancárias, por exemplo) e, só então, o Ministro Fachin homologaria, como homologou, as delações. Portanto, só o tempo, as sequências das investigações e o rito processual poderão definir quem é culpado e quem é inocente. Um fato importantíssimo: por enquanto, os delatores são só da Construtora Odebrecht, mas outras grandes empreiteiras sempre tiveram ligações com o Poder (Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Carioca Engenharia, Mendes Júnior, Cowan, OAS, por exemplo) e deverão vir à tona mais delações dessas outras empreiteiras. E se o ex-Deputado Eduardo Cunha, preso em Curitiba, resolver fazer delação, a situação dos políticos da Lista do Fachin e de outros pode complicar mais ainda. A corrupção nos altos níveis, envolvendo os políticos e as grandes empreiteiras é antiga. Desde os anos 60 do século XX já sabíamos disto. E se institucionalizou. Mas parece que 2017/2018 trarão novos ares republicanos, desde que haja JUSTIÇA IGUAL PARA TODOS. Os brasileiros sonham com Qualidade de Vida (Segurança Pública, Educação, Saúde, Energia Elétrica, Telecomunicações, empregos, economia estável e com crescimento, Transportes, rodovias seguras, Saneamento Básico, Limpeza Urbana, tributos justos, Código Penal rigoroso visando redução efetiva dos índices de violência etc). Que Deus abençoe nossa Pátria.

  • Cemig Distribuição

    12 Abr, 2017

    Cemig apresenta lucro líquido de R$ 334 milhões em 2016 No ano passado, a Companhia investiu cerca de R$ 1 bilhão na rede de distribuição de energia de Minas Gerais A Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig apresentou para a imprensa, nesta quarta-feira (12/4), os resultados financeiros de 2016. No ano passado, o lucro líquido da Cemig foi de R$ 334 milhões, com uma receita líquida de R$ 18,7 bilhões e Lucro antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização (Lajida) no valor de R$ 2,6 bilhões. Em um ano marcado pelas dificuldades no ambiente macroeconômico, a Companhia investiu cerca de R$ 1 bilhão na modernização e ampliação da rede de distribuição dos 774 municípios mineiros. Além disso, as ações tomadas pela diretoria da Cemig para enfrentar a conjuntura adversa e melhorar a eficiência permitiram a redução dos custos e despesas operacionais de 13% em 2016 em relação ao ano anterior, representando uma economia de R$ 2,3 bilhões. A execução da estratégia de desinvestimento permitiu ainda uma receita de R$ 971 milhões com a venda de participações em empresas de transmissão de energia no Brasil e no Chile. “Mesmo com investimentos expressivos em 2016, mantivemos a nossa dívida nos mesmos patamares de 2015, mesmo sem considerar ajustes pela inflação”, afirma o presidente da Cemig, Bernardo Alvarenga. Apesar dos desafios enfrentados pela Cemig no ano passado, Bernardo Alvarenga acredita na retomada do crescimento do País e do mercado de energia, o que deve beneficiar diretamente a Companhia. “Temos a expectativa de que 2017 represente uma mudança de ciclo, um ambiente macroeconômico mais favorável, com aumento na confiança dos investidores e da sociedade, com a consequente melhoria no ambiente de investimentos. Essa expectativa já se materializa na redução nas taxas de juros, o que traz benefícios na diminuição do custo financeiro da nossa dívida e também melhora a expectativa com relação às condições financeiras das rolagens e captações de recursos futuras”, comenta. Perfil da companhia A Cemig é a maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, sendo o maior grupo distribuidor, responsável pela operação de mais de 530 mil quilômetros de linhas de distribuição. É ainda o maior grupo transmissor e o terceiro maior grupo gerador, com uma capacidade instalada de 8,5 GW. Vale destacar que a concessionária foi selecionada, pela 17ª vez consecutiva, para compor a carteira do Índice Dow Jones de Sustentabilidade no período 2016/2017, mantendo-se como a única companhia do setor elétrico da América Latina a fazer parte do índice desde a sua criação, em 1999. A companhia está presente em 22 Estados e no Distrito Federal e conta com mais de 127 mil acionistas em 44 países e ações negociadas nas Bolsas de Valores de Nova York, Madri e São Paulo.

  • Theodomiro Paulino

    12 Abr, 2017

    QUEM DIRIA: O mundo dá voltas. PT e PMDB, que estiveram em lados opostos no impeachment, têm a mesma estratégia - o procrastinamento - para evitar que o TSE comece a julgar a chapa Dilma-Temer. A propósito, Temer, quando foi indagado o que achava do índice de 10%, atribuído à sua popularidade, fugiu pela tangente, com essa resposta: pergunte ao garçom o que ele acha deste percentual...

  • Theodomiro Paulino

    11 Abr, 2017

    Com a real situação do Brasil, estamos vendo a situação agravar cada vez mais com as denúncias aumentando e os políticos numa vergonhosa manipulação. É vergonhoso e um absurdo o salário dos parlamentares para trabalharem em Brasília dois ou três dias por semana, enquanto pais de famílias estão aí, desesperados, sem conseguirem um emprego, muita gente passando fome e os menores estão aí assaltando abertamente, pois sabem que serão protegidos pela lei, além de muitos e muitos moradores de rua perambulando sem rumo. Com tudo isso, o desemprego, a terrível inflação e o mau exemplo da CORRUPÇÃO têm feito aumentar também a VIOLÊNCIA. Alguma coisa precisa ser feita com urgência, para que nosso Brasil volte a ser um país sério e mostrar outra imagem para o mundo.

  • Clodoaldo, o Crédulo

    11 Abr, 2017

    UNE vive do passado... Pois eu estou passado... Chocadíssimo e podem até quebrar o ovo que está tudo legalzinho... Mas me economize e me poupe... Pois dizer que a Une representa os estudantes é o mesmo que dizer que o MST representa um movimento social sério e que quer mesmo a paz no campo... Decididamente não temos mais movimentos estudantis como na década de 80 e 90... Acabou... A UNE vive das merrequinhas que a Nação PTlândia dá eles... E por cá o DEMC já deve ter fechado as portas e quem sabe alugaram o prédio... E pensar que os estudantes tiraram um presidente do poder... Mas isso é passado meu bem... Tudo passa hein?

  • Analista

    11 Abr, 2017

    GUERRA E PAZ - A soma dos mortos na última semana nos atentados de São Petersburgo, Estocolmo e do Egito e nos bombardeios da Síria é próxima de 154. Se considerarmos os seguintes números, referentes ao Brasil: 57.000 assassinatos por ano (7º entre 100 países) e 48.000 mortos no trânsito por ano (4º entre 183 países), teremos uma média de 287 mortes violentas por dia, ou 1,86 vezes as 154 mortes antes citadas, ocorridas em uma semana. E pensamos que não estamos em guerra. Mas, ao contrário disto, num ranking das 50 cidades de mais de 300.000 habitantes, mais violentas do mundo, publicado ontem pela revista Exame.com, 19 cidades são brasileiras, com índices homicídios/100.000 habitantes/ano variando de 34,92 (Curitiba) a 69,56 (Natal). A revista comenta que isto não é surpresa, uma vez que a impunidade atinge 92% dos casos de homicídios. Que Jesus Ressuscitado, Príncipe da Paz, inspire os governantes do Brasil no sentido de trabalharem pela pacificação da sociedade brasileira, bem como os governantes dos demais países.